Sintomas e Diferenças da Gripe Influenza A, B, C e H1N1

Os Sintomas-e-Diferenças-da-Gripe-Influenza-A,-B,-C-e-H1N1

Neste artigo vamos falar em detalhes sobre os sintomas e diferenças da gripe influenza a, b, c e h1n1. Demostraremos as informações de forma simples e que todos possam entender.

Antes, queremos explicar, que as informações aqui contidas, são apenas para auxiliar na compreensão da doença, mas não substitui o tratamento e nem o diagnóstico feito pelo seu médico.

Procure um médico caso apresente qualquer um dos  sintomas informado neste artigo.

Veja abaixo o que você precisa saber sobre sintomas e diferenças da gripe influenza a, b, c e h1n1:

A diferença entre a gripe influenza e h1n1 é que o vírus h1n1 é apenas um subtipo do vírus influenza. Portanto, trata-se da mesma gripe.

A influenza é a famosa gripe suína e aviária que surgiu primeiro na Ásia e depois se espalhou pelo mundo transformando em uma pandemia gripal.

Por isso os sintomas e diferenças da gripe influenza a, b, c e h1n1 são exatamente os mesmos. Levando em considerações apenas os subtipos que vamos explicar sobre alguns logo abaixo.

Vírus Influenza 

A doença da gripe que é causada pelos vírus Influenza, pertencem à família Orthomyxoviridae, com o genoma RNA segmentado. E se divide em 3 subtipos que são: Influenza A, B e C.

Influenza A

  • O Vírus

Os vírus da influenza A estão classificados com os  subtipos A(h1n1), A(h3n2), A(h5n1) e A(h7n9). Esta classificação é feita de acordo com  as proteínas de superfície, hemaglutinina (HA ou H) e neuraminidase (NA ou N).

  • A Infecção

A infecção das células no trato respiratório, é o local onde o vírus se multiplica, pois a proteína N é responsável pela liberação das partículas virais na superfície das células. E a proteína H faz o reconhecimento e a infecção destas células.

  • A Proliferação

Os subtipos de vírus A(h1n1) e A(h3n2) são de origem suína e circulam atualmente em humanos. Já os Subtipos A(h5n1) e A(h7n9) são de origem aviária que também podem infectar humanos e causar doenças graves como aconteceu no passado. O mais comum e responsável pela epidemia é o subtipo A(h1n1).

Influenza B

  • O Vírus

Este vírus não evolui como o Influenza A, por causa da sua baixa viralidade, ou seja, incapacidade de propagar entre os seres vivos. Tendo poucas chances de causar uma epidemia, mas isso não o impede de casuar um surto ou complicações de saúde como pneumonia viral e bacteriana.

  • A Infecção

A infecção da Influenza B é semelhante da A. Não tendo diferença.

 

  • A Proliferação

Sua baixa viralidade é por causa de sua infecção que só acontece em humanos. Até o momento ainda não foram encontrados infecções com o vírus Influenza B em animais. Por isso, pode até haver algum surto com este vírus, mas as possibilidades de se tornará uma epidemia são mínimas.

Influenza C 

  • O Vírus

O vírus da gripe influenza C, causa problemas ou infecções respiratórias de brandas a leve e não causa impacto na saúde pública, por isso não há preocupação  e nem relação com epidemias.

  • A Infecção

É semelhante a Influenza A e B sem diferença.

  • A Proliferação

Também tem uma baixa viralidade e só é encontrado em seres humanos. Não havendo indícios de infecção em animais.

Muito bem, dentre os  sintomas e diferenças da gripe influenza a, b, c e h1n1, nós já falamos das diferenças, agora vamos falar dos sintomas.

O sintomas para todos os tipos e subtipos da gripe Influenza, são iguais aos da gripe comum, apenas com maior intensidade.

Por tanto, requer muito mais cuidado, pois, as pessoas infectadas com qualquer um dos vírus citados acima pode apresentar febre súbita e repentina de 38º a 39º graus, além de dores fortes nos músculos, cabeça, garganta e articulações.

Entre os sintomas estão irritação nos olhos, tosse, coriza, cansaço e inapetência. Em alguns casos pode ocorrer vômitos e diarreia.

Estes são os  sintomas e diferenças da gripe influenza a, b, c e h1n1, e o melhor tratamento ainda é a vacina, que infelizmente não protege 100% e ainda é disponível apenas para os grupos de riscos que são: idosos acima de 60 anos, grávidas, crianças de até 5 anos, portadores de doenças crônicas entre elas: respiratórias, renais, diabetes, pressão alta e coração.

Para os demais, resta apenas os cuidados de higiene com as mãos para evitar o contágio que se dá através das narinas e boca. O uso de álcool em gel ajuda muito nessa higiene.

Fonte: Portal da Saúde, Dr Dráuzio Varella e Saúde Estadão.

2 Comentários

  1. Roberta Herrera

    Apesar do meu filho ser vacinado desde 2011, bastou apenas 3 horas de contato com um amigo que estava com H1N1 para ser contagiado!!!!!!! Há momentos que colocamos em duvida a eficacia das vacinas…e detalhe o tratamento com TAMIFLU é para poucos pq custa R$ 200,00!!!!!!!!!!

    • Rebeca

      “A vacina significa 90% de proteção contra gripes em geral. A população, porém, precisa saber que é preciso uma dose por ano para se precaver”, afirmou o especialista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos.

      Segundo o médico, os outros 10% da proteção estão em hábitos comuns, mas essenciais. “É preciso lavar as mãos frequentemente, ter uma boa alimentação, sempre se hidratar e evitar locais de pouca ventilação e com aglomerações.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*